sexta-feira, 26 de maio de 2017

CAPTAÇÃO PSÍQUICA - Capítulo 30 da Apostila do Carrossel de Luz

30. CAPTAÇÃO PSÍQUICA[1]

       Ir a um hospital visitar uma pessoa amiga que está doente e sair de lá com os mesmos sintomas. Entrar num supermercado e, subitamente, começar a sentir-se mal, sem saber porque. Quantas vezes este fenômeno ocorre com as pessoas, sem que elas consigam compreender o que ocorre. Este é o fenômeno da CAPTAÇÃO PSÍQUICA, termo que criamos para designar um fenômeno psíquico extremamente comum em termos de freqüência e que hoje, graças aos avanços da Física Moderna e da Psicologia, pode ser utilizado como recurso terapêutico.                  
       Basicamente, a captação psíquica pode ser definida como o potencial que todos nós possuímos de, em estado alterado de consciência, identificarmo-nos com um mineral, vegetal, animal ou ser humano, captando o que ocorre com ele, em termos de inconsciente, através de imagens, sons ou sensações, dependendo de qual de nossos canais sensoriais é mais desenvolvido.
       Este fenômeno espontâneo de identificação com o outro pode ser explicado teoricamente através de alguns conceitos da Física Moderna. O espaço aparentemente vazio que nos circunda é, na realidade, um imenso campo energético, onde circulam várias freqüências de ondas eletromagnéticas. Em freqüências baixas de 10 elevado a 6 ângstrons (medida da física) circulam as ondas de TV; em 10 elevado a oito situam-se as ondas de rádio FM; acima delas encontram-se as ondas de radar. Todas estas freqüências de ondas são nossas conhecidas, porque já existem instrumentos capazes de captá-las. Acima delas, entre 10 elevado a 14 e 10 elevado a 16 ângstrons, numa faixa eletromagnética entre os raios infravermelhos e os raios ultravioletas, estão as cores que enxergamos a olho nu. Continuando além dessa pequena janela de nossa percepção visual, situam-se os raios X, os raios gama e os raios cósmicos. Entre 10 elevado a 30 e 10 elevado a 50 ângstrons, ou seja, em freqüências altamente aceleradas, os físicos acreditam estar situada a faixa de circulação de nossa energia psíquica. Esta faixa de freqüência de energia mental forma uma imensa rede de intercomunicação eletromagnética, através da qual todas as mentes se comunicam e se interinfluenciam, provocando reações inconscientes que se manifestam na forma de percepção de imagens, sons ou sensações, que compõem a linguagem metafórica, a linguagem específica do inconsciente profundo, trazida à mente consciente através do hemisfério cerebral direito, o hemisfério responsável pela intuição e pela emoção.



[1] Texto de autoria de Sueli Meirelles.

(*) Termo criado pela autora para designar a aplicação terapêutica do fenômeno psicoespiritual, diferenciando-o da Apometria. Direitos Autorais reservados.

OBS: Trabalho apresentado no II CONGRESSO CIÊNCIA, SAÚDE E ESPIRITUALIDADE, realizado na Universidade de Caxias do Sul/RGS em 07/09/2007.
(*) Psicóloga Clínica do CIT – Colégio Internacional de Terapeutas. Membro da ALUBRAT – Associação Luso Brasileira de Psicologia transpessoal. Pesquisadora de Fenômenos Psicossomáticos e Psicoespirituais. Autora do livro Do divã à Espiritualidade: ATH – Abordagem Transdisciplinar Holística em Psicoterapia.    

       
Deixe seu Like, compartilhe e ajude a formar a Massa Crística da Nova Consciência Planetária.                                                                                        
 E-mail: suelimeirelles@gmail.com
Whtasapp: 55 22 99955-7166




[1] Pessoa que apresenta maior quantidade de cristais de apatita em sua glândula pineal, transformando-se num transcomunicador inter-dimensional, que permite o acesso a outras dimensões de realidade, inclusive o inconsciente profundo do paciente.