sexta-feira, 15 de setembro de 2017

SEDE PERFEITOS - Texto Complementar VI




       ...E o Mestre Jesus disse. “Sede Perfeitos, como vosso Pai que está nos céus.” Mas o que é esta imperfeição que devemos “combater”? Como e onde ela se localiza, em nosso psiquismo? Por que, apesar de nossos esforços sinceros, muitas vezes sucumbimos em nossos propósitos de aperfeiçoamento, como se algo mais forte nos impelisse ao erro? Por outro lado, também ouvimos: “O homem foi feito à imagem e semelhança de Deus”. Onde está esta nossa perfeição? Como poderemos encontrá-la dentro de nós mesmos? Estas e muitas ouras questões vêm à nossa mente, ao abordarmos este tema. O homem moderno, apesar de todo o seu avanço técnico e científico, continua desconhecendo o maior fenômeno da natureza: Ele próprio.
       Aldous Huxley, autor de “As Portas da Percepção, diz: ”Cada ser humano é capaz de captar qualquer coisa, a qualquer momento, em qualquer ponto do Universo.” Com este potencial imenso, seríamos bombardeados por uma quantidade atordoante de informações simultâneas, o que tornaria a nossa vida, neste planeta de energia densa, simplesmente caótica. Para que isto não ocorra, há um afunilamento deste potencial, através de barreiras psíquicas chamadas de mecanismo de defesa do psiquismo, que selecionam e deixam passar apenas aquelas informações que podem ser compreendidas e aceitas pela nossa mente consciente. Desta forma, podemos descrever o psiquismo, didaticamente, como sendo constituído por uma parte consciente -–aquilo que conhecemos de nós mesmos – a barreira  que representa os mecanismos de defesa do psiquismo, que atuam como um filtro entre o inconsciente e o consciente, deixando passar apenas aquilo que o consciente suporta perceber; e uma parte muito mais ampla, inteligente e poderosa, que é o nosso inconsciente, capaz de capar vários estímulos num só momento  - percepção inconsciente simultânea – onde estão todas as nossas motivações inconscientes, tanto positivas quanto negativas.
       Estas diferentes partes psíquicas funcionam em diferentes níveis energéticos. Temos o nível físico, o nível de sensações ou cinestésico, o nível emocional, o mental inferior (o nosso pensamento objetivo), o mental superior (o nosso nível de ideais), o nível intuitivo e o espiritual. Os três níveis superiores – o nível espiritual, o intuitivo e o mental superior - compõem a nossa Individualidade, a nossa parte mais essencial, constituído de Energia Divina, também chamada de Mônada, Chama Tríplice, Chama Trina, Cristo Interno etc., a nossa parte perene, eterna. Os quatro níveis inferiores – o físico, o cinestésico, o emocional e o mental inferior – compõem a nossa Personalidade, aquela parte que mostramos às outras pessoas e que representa o nosso caráter nesta existência. Constitui também a idéia que conscientemente fazemos de nós mesmos, embora muitas vezes venha do consciente uma certa dúvida quanto àquilo que acreditamos ser ou gostaríamos de ser. É importante ressaltar que nem sempre a Individualidade  a Personalidade estão em harmonia ou equilíbrio ecológico. Nem sempre uma pessoa é na sua essência ou individualidade, aquilo que mostra em sua Personalidade ou aquilo que gostaria de ser. É justamente neste sentido que a individualidade pode atuar como um sabotador dos propósitos da Personalidade, ou, em outros casos, denunciar a Personalidade em sua tentativa de mascaramento, quando busca aparentar ser melhor do que realmente é.
       De acordo com a Psicologia Transpessoal (que estuda os aspectos psíquicos além da Personalidade), partimos do princípio de que “todo indivíduo já possui dentro de si mesmo todos os recursos de que necessita para alcançar seus objetivos de aperfeiçoamento, nesta existência. Todos possuem a Chama Trina dentro de si mesmos, a sua Luz Interna. O trabalho terapêutico consiste então em colocar o cliente em contato com este poderoso recurso interno, à luz do qual ele escolherá o que irá conservar e o que irá modificar em si mesmo, tomando por base o seu Arquétipo – modelo divino e perfeito, criado para cada Individualidade ou Emanação de Vida que vem de Deus – O homem feito à imagem e semelhança de Deus. Cabe ao homem, portanto, concretizar este modelo com seu próprio esforço - a cada um será dado segundo suas obras  - e segundo a Lei do Livre Arbítrio.
       Através da técnica de Captação Psíquica constatamos que cada pessoa possui dentro de si uma programação de vida a ser realizada, em relação ao seu próprio aperfeiçoamento e em relação ao aperfeiçoamento da comunidade em que ela está inserida. Ocorre também que, em muitos casos, por uma série de interferências situacionais e diferentes configurações energéticas, ou ainda registros emocionais do inconsciente profundo, a pessoa não está cumprindo sua programação de vida. Nestes casos, iremos entrar em contato com estes registros, liberando o conteúdo emocional alí contido e levar o inconsciente a perceber que agora ele está em outro momento do tempo e que aqueles fatores negativos não estão mais presentes.
       Somente entrando em contato com as emoções negativas, uma pessoa poderá libertá-las e transmutá-las em energia positiva, para ser utilizada em fins construtivos. O simples fato de reprimir uma emoção negativa  - raiva, orgulho, tristeza, inveja etc. – não significa que ela tenha sido eliminada; apenas está contida, aprisionada pelos mecanismos de defesa, dentro do inconsciente, interferindo no comportamento do indivíduo, todas as vezes em que a vigilância dos mecanismos defensivos diminuir. Tal procedimento cria um estado de tensão interna no indivíduo, podendo chegar a um ponto em que toda a sua energia   será gasta dentro dele mesmo, no trabalho de contenção dos conflitos emocionais. Isto o levará a um clímax em que pouca energia restará para a realização da programação de vida, estagnando-se assim o processo de aperfeiçoamento e mantendo-se o indivíduo preso na teia de suas próprias emoções negativas inconscientes.
       Cada um de nós é um centro gerador de energia eletromagnética. Nosso cérebro é um computador. Quando pensamos, geramos energia que irá condensar-se numa forma-pensamento – imagem formada pela concentração de energia do pensamento humano. Quando pensamos negativamente, criamos formas-pensamento negativas, que irão se associar a outras formas-pensamento de igual freqüência energética, voltando posteriormente a nós mesmos, acrescidas dessas energias semelhantes ao mal que produzimos. Quando produzimos formas-pensamento positivas, o processo igualmente repetir-se-á e teremos de volta a nossa energia positiva, acrescida de energias semelhantes.
       Segundo as últimas pesquisas realizadas no campo da Psicologia Transpessoal, a média dos seres humanos utiliza 3% de sua energia mental positivamente; 25% dessa energia, negativamente, e 72% sem nenhum direcionamento objetivo, constituindo energias malbaratadas ou desperdiçadas. Para que o processo de aperfeiçoamento se concretize é necessário que 51% da nossa energia seja utilizada construtivamente, nas 24 horas do dia, dividas em 8 horas de trabalho, 8 horas de lazer e 8 horas de descanso – medidas de tempo relativas à Terceira Dimensão.
       Este modelo pode nos proporcionar uma ajuda valiosa no sentido de percebermos, a cada dia, como estamos utilizando nossas energias mentais e até onde estamos realmente contribuindo para o nosso aprimoramento pessoal e, pela nossa co-responsabilidade em relação ao todo – o corpo mental do planeta Terra é formado pelo somatório de nossos corpos mentais – perceber até onde estamos contribuindo positivamente para a melhoria do mundo em que vivemos.
Através desta observação diária, poderemos identificar também as motivações    inconscientes que nos sabotam, no sentido de compreendermos que elas tiveram origem numa situação de sofrimento físico ou psíquico e somente através da aceitação incondicional, do não julgamento e, principalmente, da transmutação das nossas energias negativas em energias positivas, chegaremos realmente a realizar aquele modelo de perfeição que constitui o objetivo da existência e que cada um de nós tanto deseja alcançar.

Compartilhe e ajude a formar a Massa Crística da Nova Consciência Planetária.



  









[1] Texto de autoria de Sueli Meirelles.